Olá!

Mais um daqueles post enormes e super pessoais! Sei que não é qualquer um que gosta, acho até que devo perder público com isso, mas de qualquer forma, criei um site também para ter esse espaço, meu, de desabafo, para falar minhas idéias sem muita regra.

Prometi que ia falar sobre um livro e um discurso que mudaram a minha vida, e hoje é o dia.

Na verdade, é tanto quanto manjando, nenhuma super novidade. Esse vídeo tem mais de 22 milhões de views no youtube, ou seja, não é nenhuma descoberta minha. Sou apenas mais uma…mas, posso falar um pouco o quanto ele teve efeito sobre mim.

Se você ainda não assistiu recomendo que faça, pois é um dos discursos mais úteis que alguém já fez…

Acho que sei esse discurso decor, de tanto que eu já ouvi. No começo parecem palavras soltas,se você não pensar e refletir a respeito não vai achar nada demais. Mas quando você pensa sobre a sua vida, sobre o que você fez, sobre o rumo que sua vida tomou…ele começa a fazer mais sentido.

Eu escutava esse discurso toda segunda feira no meu antigo trabalho, e ficava tentando me convencer que aquele não era o lugar para mim, apesar de achar que era a pessoa mais mimada do mundo que não queria seguir as “regras” do mundo. No entanto, sempre acreditei também que tudo tem um sentido na vida e que estava passando por aquilo por algum motivo.

Seria possível que apenas algumas pessoas do mundo tivessem a chance de fazer o que amam? Quem seriam esses sortudos? Teria eu que nascer um gênio na Califórnia para ter essa chance? Seria eu apenas “mais uma” que tem que viver a vida como uma “ovelha”?

Ovelha? sim, ou vaca.

Toda vez que saia do trabalho e via as pessoas indo em direção ao metrô pensava no filme do Chaplin, tempos modernos, e como, na verdade, nada mudou. Ainda somos um bando de “gado” sendo tocados para lá e para cá em função de uma coisa: Dinheiro!

Vai falar que não?

Quantas pessoas você realmente conhece que trabalham com o que amam ou pretendiam trabalhar? Eu mesma, já pensei em desistir vááárias vezes e talvez, a pressão seja sim maior que  e eu volte para o mundo corporativo! Talvez logo.

Mas minha cabeça não vai mudar! Eu queria que minha vida tivesse sentido, eu queria agregar, ajudar, acrescentar de alguma forma a esse mundo. Queria inspirar, por menor que fosse meu alcance…se vou conseguir? tomara.

Mas, escutar Steve Jobs falando me faz sentir, todas as vezes, que isso é possível! No discurso, tudo fica um pouco por cima…como ideias soltas.

Ai, você resolve ler o livro sobre a sua vida…sua biografia escrita por SAACSON, WALTER e tudo começa a fazer mais sentido.

O cara foi um gênio, era visionário, nem todo mundo é, tudo bem. Mas ele tinha uma coisa: coragem! Ou ausência de medo…não tinha amarras, não tinha apego, não tinha medo de parecer ridículo.  Esse senso nele era tão grande que ele chegou a ser interpretado como egoísta, golpista, mal caráter…eu, pessoalmente, acho que ele não tinha medo, fazia o que pensava, o que acreditava e não ficava consultando ninguém o tempo todo como a gente faz, também o tempo todo.

Foi adotado, era rebelde na escola, abria todos os eletrônicos que chegavam para ele, não seguiu o caminho tradicional, virou “hippie”, andava descalço, não assumiu um filho… mas soube peitar quem precisou a vida toda e fez o que acreditava valer a pena.

Por que nós não conseguimos? Pq a gente desiste na metade? Pq temos medo do que os outros vão pensar? medo de errar? de decepcionar?  Esquecemos que isso aqui é pequeno demais e que daqui a gente não leva nada? Eu não sei direito porque, mas sei que sou afetada por isso todos os dias e me impeço de errar, de me expor, de fazer o que acredito…

Por isso eu admiro demais Steve Jobs, para mim, ele era mais do que um gênio, um cara que trabalhava 24 horas por dia por um único motivo: amava, acreditava , tinha paixão pelo o que fazia…eu pensei: é impossível que eu não possa ter um pouco disso!

Eu lia esse livro todos os dias antes de ir pro trabalho e me via no caminho oposto, trabalhando por vaidade, porque queria dizer uma vez ao mês para minhas colegas que era analista sênior, que ganhava x mil reais, que era super bem sucedida, para honrar meus pais…

Chegando ao final dele, decidi que o discurso dele agora fazia total sentido: A gente nasce sem absolutamente nada! E a gente vai morrer sem nada, da mesma forma. Minha vida pode acabar amanhã e do que adiantou todos os títulos? todos os bônus? todos os elogios? Vão fazer um discurso no meu velório e depois disso cada um vai seguir sua vida.

Por mais doloroso que isso seja, é verdade! Até as pessoas mais próximas vão seguir a vida depois que você for embora…então porque raios a gente tem que viver a vida com medo do que eles ou qualquer outra pessoa possa pensar?

Se você errar, errou, se falir, faliu, se perder dinheiro, fazer o quê, se fizer papel de ridículo, dois dias depois ninguém vai lembrar…a vida é sua, e só você pode fazer por você ! NINGUÉM vai fazer! Ninguém!

Uma coisa eu te garanto, seu discurso, seu papo, sua conversa vai ser muito melhor do que de qualquer outra pessoa. Seguir as regras é chato, é reto, A leva a B e só.  Sem criatividade…a verdade, é que a gente virou um bando de robôs feitos para refazer o que todo mundo faz!! Faculdade igual, pós igual, MBA igual, somos todos iguais em formação…ninguém pensa, todo mundo obedece.

E com uma coisa eu sempre concordei com Steve – nada acontece por acaso! Então, acredite!

A paixão dele no livro é tão grande, mas tão grande…que eu quis um pouco disso. E eu senti!

Nesse um ano que passei longe da carreira coorporativa eu pude ver que eu posso sim, sentir vontade de trabalhar até as 5 da manhã sem sentir a pressão ou o peso dessa tarefa, por uma única razão: amor!

“Sometimes life’s going to hit you in the head with a brick. Don’t lose faith. I’m convinced that the only thing that kept me going was that I loved what I did.”

Sei que essa coisa de acordar todo dia e pensar que é seu último dia é um exercício um pouco triste e difícil de se realizar, mas tente se olhar todo dia no espelho e pensar se era assim que você queria que seu dia fosse. É isso que você queria fazer hoje? Se a resposta for não, como a minha foi, mude!

“Nesse momento, o novo é você. Mas algum dia, não muito distante, você gradualmente se tornará um velho e será varrido. Desculpa ser tão dramático, mas isso é a verdade.

O seu tempo é limitado, então não o gaste vivendo a vida de um outro alguém.

Não fique preso pelos dogmas, que é viver com os resultados da vida de outras pessoas.

Não deixe que o barulho da opinião dos outros cale a sua própria voz interior.

E o mais importante: tenha coragem de seguir o seu próprio coração e a sua intuição. Eles de alguma maneira já sabem o que você realmente quer se tornar. Todo o resto é secundário.”

Não tenho a intenção de “atrapalhar” a vida de ninguém, pensar realmente atrapalha um pouco. Sair fazendo tudo no automático costuma ser mais fácil.

Ele mesmo disse uma vez que a gente liga a televisão para não pensar, pensar dói! Mas, pense um pouquinho.. Você só quer gerar dinheiro? É só isso que você quer? Ou você quer agregar? quer criar? quer fazer o que você tem paixão? a vida não tem que ter um sentido maior do que um monte de objetos a nossa disposição ? Pense! 

Stay hungry, stay foolish! 

Um dia conto para vocês sobre o impacto de minha viagem para California nessa decisão!